ENTREVISTA “A Bolsa de Arrendamento vai impactar positivamente na cadeia do agronegócio regional”

João Menezes de Souza Neto – engenheiro agrônomo

 

Com o objetivo de facilitar o encontro entre produtores que desejam arrendar terras na região de Presidente Prudente e proprietários interessados em fazer o arrendamento, o SRPP (Sindicato Rural de Presidente Prudente) está desenvolvendo uma Bolsa de Arrendamento, cujo lançamento está previsto para o dia 10 de setembro, durante a Expo Prudente. Um dos líderes dessa iniciativa, o engenheiro e doutor em agronomia, João Menezes de Souza Neto, explica que o interesse pelo cultivo de grãos na região impulsionou a implantação da bolsa, que, por sua vez, irá impactar positivamente na cadeia do agronegócio.

O Imparcial: Em que consiste a Bolsa de Arrendamento?

João Menezes: A Bolsa de Arrendamento funcionará como um catalisador e facilitador para unir produtores que necessitam de terras para produzir e gerar empregos e riquezas em nossa região, com proprietários de terras que necessitam de parceiros para tornarem suas áreas mais produtivas.

Como se deu essa percepção de que há em Prudente uma demanda expressiva por uma Bolsa de Arrendamento? Qual o contexto do nosso agronegócio que justifica sua implantação?

A ideia não é nova. Já foi implantada com sucesso na região de Uberaba (MG) e copiada por aqui na década passada, no início dos anos 2000. Houve muita adesão e a iniciativa teve sucesso, porém, não havia naquela época tecnologia de produção em solos de arenito. Hoje esta tecnologia está consolidada na integração lavoura-pecuária-floresta. A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), Apta (Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios) e CDRS (Coordenadoria de Desenvolvimento Rural Sustentável) desenvolveram vários trabalhos e a região está se tornando um polo produtor de grãos.

O propósito da Bolsa de Arrendamento é ser um facilitador entre contratantes e contratados. Como isso se dará, na prática?

A ideia é simples: um produtor que necessita de terras para produzir procurará o SRPP (que está em fase de tratativas com organizações interessadas em participar do empreendimento, ao mesmo tempo em que desenvolve uma metodologia de trabalho para o projeto) e fará um cadastro, do mesmo modo que algum proprietário que possui terras e está à procura de um parceiro também fará um cadastro no Sindicato Rural. O sindicato é que reunirá as duas partes, prestará assessoria jurídica e, havendo entendimento entre as partes, será celebrado um contrato para a implantação da lavoura nos termos negociados.

 

O Sindicato Rural já firmou parcerias no projeto com algumas organizações. Quem já está envolvido e qual será o papel desses parceiros?

Sim, já existem empresas parceiras, como a Cocamar em Presidente Prudente, Soesp (Sementes Oeste Paulista) e D.Carvalho Jonh Deere, mas outras instituições e empresas também participarão, como o jornal O Imparcial. O papel dos parceiros será envolver seus clientes no projeto, além de apoiar atividades como dias de campo, reuniões técnicas, palestras e outras ações de divulgação.

Como se dará a divulgação da Bolsa de Arrendamento?

A divulgação se iniciará após o modelo estar formatado e tem lançamento previsto para o dia 10 de setembro, na Expo Prudente. A partir desta data, haverá divulgação via imprensa e mídias sociais.

Quais são as expectativas quanto ao lançamento na Expo Prudente?

Muito boas. Teremos um bom público na TecnoShow, durante o evento, e esses produtores terão em primeira mão os detalhes do funcionamento da Bolsa de Arrendamento.

 

Fonte:> Jornal “O Imparcial”- 27 de agosto de 2019.