Valor do leite pago ao produtor tem primeira alta

O preço do leite pago ao produtor já começou a apresentar os primeiros reflexos do início da entressafra na região Sul e da menor oferta do produto no campo.

O levantamento realizado pelo Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea) da Esalq/USP apontou que, na média do Brasil, que considera os estados de Goiás, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Bahia e Santa Catarina, o preço do produto recebido pelo produtor subiu 2,05% em março em relação a fevereiro e fechou a R$ 0,85 o litro, considerando o valor líquido (sem frete e impostos). O preço médio líquido de março deste ano é 14,6% inferior ao do mesmo mês de 2014.

Este é o primeiro aumento após nove meses de quedas consecutivas. No Paraná, na média, o preço ainda não apresentou elevação em março, mas há cooperativas que já tiveram alta.

No Estado, o Departamento de Economia Rural (Deral) da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab) apurou que o valor médio do litro do leite pago ao produtor caiu 2,3% em março e passou de R$ 0,84 em fevereiro para R$ 0,82 no mês passado. Segundo o veterinário e responsável pela área de leite e pecuária de corte do Deral, Fábio Mezzadri, a oferta de leite no Estado ainda está grande. No ano passado, o Paraná produziu 4,5 bilhões de litros contra 3,9 bilhões em 2013. Para este ano, ainda não há uma estimativa, segundo Mezzadri.

Ele acredita que a oferta de leite comece a diminuir em maio no Estado com a chegada do frio e das primeiras geadas. Com isso, o preço pago ao produtor deve começar a subir. Os preços no varejo para o consumidor final também devem acompanhar essa tendência de forma mais intensa.

No varejo, na média estadual, o preço do leite em pó de 400 gramas caiu de R$ 9,60 em fevereiro para R$ 9,58 em março. O leite longa vida já apresentou o primeiro repique de preço e passou de R$ 1,85 o litro em fevereiro para R$ 2,04 em março. O pasteurizado se manteve estável em R$ 1,99 em março.

Na Cooperativa Frimesa, com sede em Medianeira, o preço do leite pago ao produtor em março foi de R$ 0,89 contra R$ 0,85 em fevereiro, o que representou uma alta de 4,8%. A cooperativa recebe leite de 4 mil produtores. O diretor executivo da Frimesa, Elias José Vydek, disse que é normal essa curva de preços e faz parte da sazonalidade. “No inverno tem menos produção de leite e mais consumo”, destacou. Segundo ele, o pico do preço do leite pago ao produtor no ano passado aconteceu em agosto quando o litro foi a R$ 1,12.

Ele acredita que a tendência é o preço do produto subir mais nos próximos meses, mas não no mesmo nível do ano passado, em função do comportamento da economia e do consumidor que está endividado. Segundo ele, a captação de leite caiu 8% em março na cooperativa e passou de 810 mil litros/dia em fevereiro para 750 mil litros/dia em março.

O Índice de Captação do Leite (ICAP-L) de fevereiro sinalizou leve aumento de 0,62% em relação a janeiro, considerando-se os sete estados que compõem a média Brasil. Ainda assim, o volume produzido em fevereiro foi 14,6% superior ao do mesmo período de 2014.

Autoria: Andréa Bertoldi

 

 

Deixe um comentário