Conservar o solo é uma forma eficiente de manter a água na propriedade rural

Um dia após a realização do Seminário ?Água em Debate?, CNA leva palestrantes estrangeiros a conhecer iniciativas de sucesso para gestão da água nas propriedades rurais brasileiras

Os palestrantes estrangeiros que debateram a “gestão eficiente da água na agricultura”, em evento realizado na Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), estiveram em campo nesta quarta-feira, 19 de agosto. Eles visitaram a propriedade de Marcelino Kikuharu Sato, localizada na região do PAD-DF, em Cristalina, Goiás.

A norte-americana Glenda Humiston, Ph.D. da Universidade da Califórnia em Ciência Ambiental, o israelense Avi Aharoni, da Companhia Nacional de Águas de Israel, o brasileiro residente em Roma, Marlos de Souza, da FAO, e assessores técnicos da CNA tiveram  a oportunidade de conhecer os projetos sustentáveis que Marcelino implantou em sua propriedade para fazer a gestão da água utilizada em sua produção.

visitantes_barragem[1]

 

“Viemos do Paraná em 1984. Compramos um pedaço de terra de 800 hectares. Hoje, temos 2.500 hectares, onde plantamos grãos, especialmente trigo, soja, milho e feijão. Temos 5 pivôs de irrigação e mais dois que estão arrendados. Com uma grande área irrigada, é fundamental fazer o controle da água que utilizamos para produzir alimentos”, conta Marcelino Kikuharu Sato, dono da Fazenda Maringá, em Cristalina (GO).

Marcelino explica que nos últimos 31 anos vêm sentindo os efeitos da mudança climática e diz que a água é fundamental para o controle da produtividade. “ Utilizamos a irrigação especialmente nas culturas de verão,  em outubro, quando as chuvas deveriam estar começando, mas a cada ano é uma surpresa. E também precisamos controlar a água nas culturas de veranico, geralmente no final de janeiro e início de fevereiro. No Cerrado, há 30 anos, essas estações eram bem delimitadas”.

O proprietário rural conta que para solucionar os problemas nas épocas em que ele mais precisa da água, conversou  com técnicos, especialistas e pesquisadores. Todos os profissionais indicaram projetos de conservação de solo para manter a umidade e aguardar os períodos de estiagem com controle da utilização da água na propriedade. “Estamos com projetos de melhoria na parte nutricional do solo, agricultura de precisão, manutenção da cobertura de solo com plantio direto e manejo. Nunca tinha pensado em ter gado aqui, mas colocamos para fazer integração lavoura-pecuária-floresta. E estamos conseguindo fazer a contenção da água no solo”, conta Marcelino.

Barragem

O proprietário rural Marcelino Kikuharu Sato e seu filho Leandro Massaharu Sato construíram uma barragem na propriedade.

olhando_barragem[1]

A propriedade é abastecida pelo Rio Samambaia e seus afluentes. O Rio Samambaia fica há 2 quilômetros da propriedade de Marcelino, em Cristalina. “Com a barragem, conseguimos fazer uma reserva da água das chuvas”,  diz Marcelino.

wilson_bonança[1]

O Consultor em Recursos Hídricos, Wilson Bonança (foto acima), explica que, além de captar a água da chuva, a barragem ajuda na manutenção do próprio rio. “As pessoas tem uma idéia errônea das barragens. Bem construídas, elas prestam um serviço ambiental importante porque regula o fluxo do rio, não deixando diminuir a quantidade de água. Assim, mantém o rio permanente”.

Coordenação de Comunicação Digital da CNA

Deixe um comentário